Rosa de Saron

September 17, 2010 at 10:38 pm Leave a comment



Não é de hoje que Marx nos manda abrir o olho para o fetichismo da mercadoria. No reinado do capital, tudo é objeto de comércio. Comercializa-se a natureza, o ser humano (corpo e alma) e até o próprio Deus. Mas não é só. Nesse reino, a mercadoria é a grande feiticeira. Imagine só se o velho profeta materialista tivesse vivido para ver essa feitiçaria no mercado da televisão. Canal sim, e outro também, tudo o que veria era anúncio de mercadoria para seduzir o potencial consumidor: do automóvel que enche os olhos ao aparelho de ginástica que promete o milagre de esculpir o corpo ideal. O fetichismo na telinha é tão avassalador, que não admira a presença do atleta no comercial de cerveja, nem do sacerdote no besteirol dominical vespertino. Tudo para seduzir o telespectador a comprar produtos transformados em desejos de consumo. Pois nesse caso, como li num texto sobre fetichismo da mercadoria, “necessidade é água, desejo é coca-cola.”

Para o bom funcionamento dessa feitiçaria, a propaganda é ingrediente indispensável. Aí entra em cena o marketing. Hoje em dia há marketing para quase tudo, fazendo surgir, entre outras, as figuras do marqueteiro político e do marketing religioso. Neste último, por mais cuidado que se tenha, há sempre o risco de transformar o anunciador do Evangelho em camelô da prosperidade, misturando-se valores religiosos com econômicos, o que pode ser visto não apenas na televisão, mas em outros meios de propaganda. Um adesivo num automóvel, com o slogan “propriedade de Jesus”, tanto pode ser visto como expressão genuína de fé, como pode gerar um mal-entendido. Afinal, sobre sua declaração de bens, o próprio Jesus disse que as raposas tem tocas e as aves do céu, ninhos; mas o filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça. Se é assim, faz sentido Ele ser proprietário de uma hilux, por exemplo? Do mesmo jeito é o “foi Deus que me deu”. Claro que tudo é dom de Deus, mas vincular essa realidade a uma propriedade privada suntuosa não deixa de representar uma subversão ao Magnificat, dando a entender que Deus só cumula de bens a quem é rico, e despede os famintos de mãos vazias.

Nutridas à base de propaganda e marketing, nascem e crescem muitas marcas. Rosa de Saron é uma delas. Além de ser nome de uma famosa banda gospel, que comercializa vários produtos com sua marca, Rosa de Saron também dá nome a outros empreendimentos e produtos, inclusive a uma grife de moda íntima.

Há quem remeta essa marca a um título supostamente atribuído a Jesus. Invoca-se, para tanto, um versículo do Cântico dos Cânticos (2,1): “Eu sou o narciso (ou a rosa) de Saron, uma açucena dos vales.” Essa frase faz parte de um dueto, cheio de galanteios, entre o Amado e a Amada, esta também chamada a Sulamita. A frase é dita por ela e não por ele. A jovem se apresenta como uma flor do vale de Saron, que dizem ter sido uma região árida da Palestina, depois transformada por Deus em terra de abundância, onde se cultivavam as mais belas rosas jamais vistas.

Rosa de Saron, portanto, simboliza a beleza. O jovem, por sua vez, é comparado à macieira entre as árvores do bosque, o que é visto por alguns estudiosos como símbolo do desejo sexual. Nesse caso, Rosa de Saron cai bem como marca de lingerie, o que não deve causar espanto, pois uma das interpretações do Cântico dos Cânticos é a de que o livro é uma composição de cantos populares do amor humano, erótico e sensual, que não precisaria ser sublimado num pudor espiritualizante para poder constar na Bíblia, já que o amor entre homem e mulher também é dom de Deus. Mas se optarmos pela leitura alegórica, que vê no amor dos Amantes o casamento de Deus com Israel, ou de Jesus Cristo com a Igreja, ainda assim o título Rosa de Saron não seria atribuído adequadamente a Jesus Cristo, pois Este seria o Amado e não a Sulamita.

Na Escritura, quando se fala nas núpcias do cordeiro, o Noivo é Jesus Cristo; a noiva, a Igreja. Nesse caso, forçar a barra e dizer que a Rosa de Saron é Jesus Cristo implica confundi-lo com a Igreja. Pode-se até ponderar, como fazem alguns, que Jesus é a Rosa de Saron por ser único, como as flores daquele deserto, que não existem mais. Entretanto, aí já teremos outra analogia, que não tem fundamento no versículo do Cantares. Portanto, quem consome a marca Rosa de Saron, crente que está adquirindo um produto com nome de título bíblico de Jesus, pode estar comprando gato por lebre, o que certamente não é bom negócio. Pois mesmo no reino do fetichismo da mercadoria, não fica bem a prática de propaganda enganosa.

Advertisements

Entry filed under: juridicos.

ENTREVISTA EXCLUSIVA:Juiz Antonio Cavalcante fala sobre o livro O Sentido da Vida Gilgamesh

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Calendar

September 2010
M T W T F S S
« Aug   Oct »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

Most Recent Posts


%d bloggers like this: